Polo Sebrae de Indústria mapeia desafios e oportunidades no RS

Cadeia produtiva gaúcha possui 130 mil micro e pequenas empresas

Atualizado em: Leitura: 2 minutos

Os números não deixam dúvidas: a pequena indústria é parte fundamental da engrenagem que move essa importante cadeia produtiva no Estado e no País. Representando 10% do setor de todo o Brasil, o Rio Grande do Sul hoje abriga mais de 130 mil empresas, sendo a grande maioria micro e pequenos estabelecimentos. 

Indústria: Polo do Sebrae mapeia os desafios no RS. Foto: Divulgação
Indústria: Polo do Sebrae mapeia oportunidades e desafios no RS. Foto: Divulgação

Pilar de soluções 

Atento a esta realidade o Sebrae RS qualifica os empreendedores gaúchos em diversas frentes por meio do Polo Sebrae de Indústria. De olho no futuro do setor, a organização atua em três pilares estratégicos – ESG, Competitividade e Indústria Inteligente -, levando informação, conteúdo e soluções que são relevantes para a tomada de decisão dos empreendedores em questões como: 

  • Diferenciação de produtos;
  • Melhoria de processos produtivos;
  • Acesso a tecnologia e ferramentas de gestão;
  • Desenvolvimento da internacionalização do negócio;
  • Auxílio na busca de alternativas de investimento e de financiamento.

Números, desafios & oportunidades para a Indústria 

De acordo com pesquisa recente que avaliou o desempenho das pequenas indústrias gaúchas na comparação entre o período pré-pandemia (2019) com o ano de 2021: 

  • 34,55% aumentaram a produção;
  • 14,55% mantiveram a produção;
  • 50,91% diminuíram a produção.

Com a diminuição da atividade, a compra de insumos foi igualmente suprimida para 43,55% das indústrias. Ainda assim, vale ressaltar: 

  • 34,55% dos respondentes sinalizaram uma compra maior de matéria prima em 2021, comparando-se com 2019;
  • Os demais 21,82% mantiveram seus níveis de compras.

O faturamento também apontou oportunidades. 

  • 32,73% observaram acréscimo no faturamento
  • Pouco mais de 50% dos respondentes afirmaram que o faturamento da empresa diminuiu

Corrente gaúcha 

Bem como os desafios e oportunidades, os números demonstram a força da cadeia produtiva do RS. 

  • Quase 90% dos respondentes têm pelo menos parte dos seus fornecedores no estado;
  • 45,45% das indústrias possuem fornecedores exclusivamente gaúchos;
  • 87,27% apontaram ter fornecedores nacionais;
  • Apenas 13,73% dos respondentes afirmaram ter fornecedores estrangeiros.

Cruzando as fronteiras 

E falando em mercado estrangeiro, o cenário apresenta uma realidade distante das pequenas indústrias. Mesmo com o Rio Grande do Sul sendo um exportador tradicional em vários setores, a manufatura de pequeno porte ainda tem muito potencial para crescer. Apenas 9,09% dos respondentes exportaram no ano de 2021. Destes, a maioria indicou que nunca havia feito vendas ao mercado exterior 

Em contrapartida, as perspectivas de crescimento são animadoras. Enquanto pouco mais de 49% das indústrias não pretendem fazer investimentos até o final de 2022, a outra metade tem planos de aportar recursos para alavancar seus negócios. 

Da parcela que pretende despender recursos ainda este ano, 71,4% mostraram uma abordagem mais cautelosa, afirmando ter planos de investir até 30% do faturamento anual. 

E o futuro? 

Por fim, entender o cenário atual é fundamental para planejar o futuro. Nesse sentido, as maiores dificuldades a serem transpostas pelas pequenas indústrias são: 

  

  • Falta de capital de giro (63,64%);
  • Alto custo com matéria-prima (49,09%);
  • Alta carga tributária (41,82%);
  • Falta de demanda (36,36%).

Conteúdo escrito por:

Sebrae
Mais de 1 milhão de pequenas empresas transformadas no Rio Grande do Sul. Estamos juntos para evoluir e potencializar o seu negócio.

Você também pode gostar de: