Custo de Mercadoria Vendida: o que é e por que os restaurantes devem dar atenção?

Todos os custos e despesas impactam no resultado das operações, mas o que mais varia e o mais alto é o Custo de Mercadoria Vendida, o CMV

Atualizado em: Leitura: 2 minutos

Todos os segmentos foram afetados pela crise destes últimos anos, e o de alimentação fora do lar não foi diferente.

Os dados fazem com que os gestores deste segmento deem ainda mais atenção aos números dos seus negócios. Assim, monitorar os Indicadores de Desempenho de qualquer empresa é fator vital para a perenidade de suas atividades. 

A estrutura de custos de um empreendimento gastronômico não é das mais simples, pois estas empresas operam como indústria (transformando insumos), comércio (revendendo produtos) e serviço. Esta mistura de atividades torna a gestão de uma empresa de varejo de food service bastante desafiadora. 

Logicamente, todos os custos e despesas impactam no resultado destas operações, mas o que mais varia e o mais alto é o Custo de Mercadoria Vendida. O CMV engloba todos os custos com insumos, produtos, materiais de limpeza e embalagens. E a forma de mensurar este indicador é analisar quanto estes gastos representam sobre o faturamento (total de vendas) da empresa.

O CMV é variável, ou seja, quanto mais vendemos, mais compramos, portanto, é um custo que está comprometido em cada venda e não há como mudar isso. O que podemos fazer é diminuir a participação dele em cada venda. 

Como reduzir o CMV?

Existem várias formas de fazer isso, listamos abaixo as principais: 

  1. Negociação com Fornecedores 
  2. Diminuir o Cardápio 
  3. Preços inadequados 
  4. Controle do desperdício

Qual o CMV ideal?

O Custo de Mercadoria Vendida também está relacionado ao tipo de serviço prestado. O CMV ideal gira em torno de 30% a 40%, sendo que abaixo disso está excelente, mas acima torna-se muito perigoso para o negócio. 

Segue uma pequena simulação de estrutura de indicadores ideal para restaurantes, lembrando que é uma sugestão e pode variar caso a caso:

  • Custo com Insumos: 35% 
  • Despesas Variáveis (Impostos, Taxas de cartão, etc.): 8% 
  • Despesas com Pessoal: 22% 
  • Outras Despesas Fixas: 15% 
  • Resultado: 20% 

 

Portanto, tome muito cuidado com o CMV, pois ele pode determinar a viabilidade do seu negócio. 

Espero que tenha gostado e que estas dicas te ajudem a monitorar os Indicadores de Desempenho da sua empresa.

Aproveitamos para sugerir o  Curso do Sebrae RS: Lucro na balança – preço no setor de alimentos e bebidas. Que  tem o objetivo de orientar empresários do segmento de alimentos e bebidas sobre o levantamento de custos e despesas envolvidos no processo de formação de preço de venda, a importância de estabelecer controles financeiros para o seu negócio e estratégias de precificação.

Conteúdo escrito por:

Você também pode gostar de: