5 coisas que aprendemos com Luiza Trajano, da Magazine Luiza

Atualizado em: Leitura: 3 minutos

Entrevistamos a Luiza Trajano, empresária brasileira que comanda a rede de lojas de varejo Magazine Luiza, para um episódio especial do podcast Plano de Voo do Sebrae RS.

Em 2020, a revista estadunidense Forbes revelou que Luiza é a mulher mais rica do país e isso é fruto de trabalho, sim! Ela é uma inspiração para empreendedores de todos os ramos e categorias e tem muita história pra contar.  

Além do imenso sucesso comercial, Luiza nos trouxe ensinamentos muito relevantes durante sua participação no programa e preparamos uma lista com os mais bacanas:  

1 – Mudar sempre e não somente na adversidade | Não se acomodar  

Luiza comenta sobre a importância de transformação de uma empresa e sobre não esperar o “ciclo bater em você”; uma transformação espontânea e condizente com o contexto do mundo: “Nas minhas palestras eu costumo falar: ‘quando você está em uma fase boa, é que você tem que mudar”, expõe.   

A digitalização da Magazine Luiza foi alavancada pela pandemia, mas era uma tendência com “50% das nossas vendas já online”, segundo Luiza. A empresária também falou de como não “sentar em cima” do próprio sucesso colocou a rede de lojas mais famosa do país um passo à frente das demais: “Nessa época, o pessoal correu atrás se digitalizou e, com isso, se nós tivéssemos ficado sob louros da vitória, teríamos ficado para trás”, analisa.   

Inclusive o Sebrae RS pode te ajudar a alavancar o seu negócio através da digitalização e profissionalização, clica aqui para saber mais!  

2 – Empreendedor é aquele assume a própria vida | Autonomia  

Com o capital de giro de 50%, a estratégia da Magalu foi agir como se não tivessem esse montante. Então, ainda durante a pandemia de Covid-19, foi criado o Parceiro Magalu, iniciativa voltada às micro e pequenas empresas e trabalhadores que não tinham como trabalhar na época. “Através de duas vertentes, para o pequeno e microempreendedor e para quem quisesse ser vendedor da loja, ajudamos diversas pessoas que estavam impossibilitadas de trabalhar a se manter, a ampliar a renda reduzida por diversos motivos e a continuar os estudos.”, explica a empresária.  

Eram pessoas com empregos, mas que estavam em casa e que em menos de 24 horas viraram vendedores da Magazine Luiza e puderam colocaram dinheiro em casa novamente, assumindo o controle da própria vida. Mais de 600 mil pessoas e empresas participaram do projeto. Luiza também conta que em algumas lives as pessoas a agradeciam pela oportunidade gerada pelo Parceiro Magalu. É o empreendedorismo como ferramenta de autonomia!

 

Luiza Trajano, presidente da rede de lojas Magazine Luiza. Foto: Divulgação/Lailson Santos.
Luiza Trajano, presidente da rede de lojas Magazine Luiza. Foto: Divulgação/Lailson Santos.

3 – A micro e pequena empresa tem mais valor do que se pensa! | PPP – Pense Primeiro na Pequena   

Luiza conta que sempre lembrou das micro e pequenas empresas, mesmo quando deixou de ter uma. Ela também destaca essa importância para a economia através do que classifica como PPP – pense primeiro na pequena.  

Falando de maneira “técnica de racional”, como ela mesma define, joga luz à importância de não deixar essas empresas de lado porque “elas correspondem a 85% dos empregos, entre informal e formal; quando falamos só dos formais, bate em 50 e 55%.”. Luiza também destaca que uma economia como a nossa vive de crédito e renda – que só vêm através do emprego, o que, por sua vez, aumenta a importância das micro e pequenas.  

4 – Capacitação tem de andar ao lado de direcionamento | Educação Empreendedora   

Luiza conta que desde que era criança ela houve falar que educação é a base para tudo, então, com esse diagnostico já batido, são necessárias ações. Através do direcionamento de uma educação empreendedora os profissionais ficarão cada vez mais capacitados: “Acho que falta um pouco de didática. (…)Eu tenho discutido com o Sebrae e com uma empresa que nós compramos a respeito disso…que é só para empreendedores em que temos trilhas”, conta. Essas trilhas seriam o ponto em que a pessoa que está no começo ou já abriu o negócio teria instrução de maneira específica, sanando todas as suas dores; “O Sebrae tem todos esses tipos de curso e precisa informar sobre eles”, conclui.  

5 – Pessoas em primeiro lugar | Propósito  

Luiza Trajano tem a sensação de que as balizas de uma empresa são como uma raquete de pingue-pongue, com duas bolinhas, propósito e lucro. O propósito, segundo ela, é o de colocar as pessoas em primeiro lugar e depois o ganho, já que nada sobrevive sem lucro. “Então a minha luta foi essa, ter lucro e propósito: em 2003 ganhamos o prêmio de melhor empresa para se trabalhar e isso para mim significou reconhecimento por tudo o que eu sempre tinha lutado. Hoje em dia recebo mensagem positiva de todo o time de gente.”, finaliza. 

Confira as outras postagens dos conteúdos especiais do Blog do Sebrae RS clicando aqui

Conteúdo escrito por:

Sebrae
Mais de 1 milhão de pequenas empresas transformadas no Rio Grande do Sul. Estamos juntos para evoluir e potencializar o seu negócio.

Você também pode gostar de: